E-commerce

Chargeback: o que é e como evitar?

Você já ouviu falar em chargeback? Quando o portador do cartão não concorda com uma compra realizada no seu cartão ou a mercadoria recebida é diferente da que foi comprada, ele tem o direito de contestar a transação, isso é chamado de chargeback.

O conceito de chargeback ou contestação é bem simples. É quando o portador do cartão entra em contato com o banco e solicita o cancelamento de uma transação. Isso pode acontecer por diversos motivos:

1 – Fraude: O portador entra em contato com o banco informando que não reconhece a compra.

2- Desacordo comercial: O portador informa um problema na mercadoria ou no prazo de recebimento. Exemplo: Foi pedida uma cadeira branca e a mercadoria recebida foi uma cadeira preta, ou o prazo de entrega era de 4 dias e o produto chegou em 8 dias.

3 – Erros no processamento: Quando a adquirente não captura corretamente uma transação, o banco pode solicitar o chargeback.

O pedido de chargeback ocorre mais frequentemente no mundo da venda online (e-commerce). Também é possível sofrer chargeback na maquininha de cartão, porém é mais difícil acontecer, pois o cartão físico possui chip e senha eletrônica, ou seja, é necessária a presença do portador do cartão na hora da compra, sendo mais difícil aplicação de fraude.

Após a solicitação de contestação de uma compra por parte do portador, o banco analisa esse pedido. Se for constatado que de fato o chargeback é devido, o banco estorna o valor da compra para o portador e o lojista fica com esse prejuízo.

Algumas vezes, pode-se ocorrer o pedido de chargeback do portador por má fé. Por exemplo, ele recebeu a mercadoria ou ele mesmo que fez a compra, mas entra em contato com o banco solicitando o chargeback. Nesses casos, o lojista pode fazer o que se chama de reapresentação juntando documentos que comprovam a compra e/ou recebimento da mercadoria corretamente.

Alguns documentos que podem comprovar a efetividade da compra são: a cópia legível do comprovante de venda, documentação de suporte de venda, alguma documentação comprobatória como nota fiscal, algumas informações que o portador recebeu as mercadorias/serviços na data combinada corretamente e sem defeito e qualquer documentação que comprove que a venda é legítima. O banco vai analisar a documentação enviada e decidir se a reapresentação é válida, se for constatado que o chargeback foi realizado por má fé, o banco cobra novamente do portador a compra e estorna o valor para o lojista.

Como posso evitar o chargeback?

O chargeback tem solução? Sim. No mundo online não existem negócios com risco zero, mas é possível se precaver. O maior motivo de chargeback no e-commerce é por fraude. Para combater esse mal, existem empresas especializadas para prevenir isso, essas empresas são chamadas de antifraude e são responsáveis pela análise da compra realizada em um site. Elas possuem um amplo banco de dados para consultar as informações dos clientes e cruzam as informações da compra com os dados de outras lojas virtuais que usam seus serviços.

Uma outra excelente alternativa preventiva é a checagem interna realizada pelo próprio estabelecimento. Essa opção demanda um pouco mais de tempo, mas nada melhor do que a própria loja, que entende o seu mercado e conhece os seus clientes, para mapear as fraudes já recebidas e desenvolver sua própria política de prevenção.

Ninguém está livre de sofrer um chargeback em seu estabelecimento, porém aplicando as políticas de prevenção adequadas ao seu mercado é possível inibir e se precaver.

 

 

Precisando de uma solução de E-commerce completa? Confira!