cultura de inovação
Carreira e Trabalho, Fundação Estudar

Cultura de Inovação: por que e como adotá-la nas empresas

Entenda como implementar a Cultura de Inovação e a real necessidade desse novo hábito dentro das organizações.

Se a cultura de inovação fosse um sistema, certamente empresas de diversos mercados já teriam contratados seus SAP a fim de introduzi-lo na rotina de trabalho. Mas, como o próprio nome já diz, uma cultura de inovação não se trata de um sistema ou de um programa previamente moldado para se encaixar nos diversos tipos de gestão empresarial. É uma cultura. É um comportamento. Um hábito que a empresa adota na intenção de otimizar a criatividade dos seus funcionários, culminando em processos de criação inovadores e sustentáveis, novos produtos, resoluções, e até métodos de planejamento.

No contexto atual, em que as empresas precisam fazer cada vez mais com mais excelência e menos recursos, a cultura da inovação é necessária para que os funcionários sejam capazes de chegar a soluções favoráveis sem depender de muito capital.

 

Como implementar a Cultura de Inovação

cultura de inovaçãoA implementação de uma cultura é um processo complexo e que deve ser adaptado para cada organização, respeitando as principais barreiras, desafios e forças dos times. Assim, os líderes da empresa devem buscar pela forma mais eficaz de introduzir uma cultura nova.

O grupo 3M, por exemplo, sabia que a maior barreira do funcionário é o tempo. Entre reuniões, prazos, metas e números, era um desafio encontrar agenda para fomentar um espaço dinâmico e favorável a novas ideias. Por isso, a empresa passou a fornecer o tempo: todo funcionário precisa dedicar 15% de sua carga horária de trabalho a desenvolver novas ideias.

O sucesso do grupo neste aspecto é tão relevante que há sete anos o mercado era surpreendido pelo livro O Poder da Inovação de Luiz Serafim, então gerente de Marketing corporativo do grupo 3M no Brasil. Na obra, são elencados alguns pontos que garantem o sucesso da implementação da cultura da inovação em empresas e grandes organizações. De acordo com o livro, o processo de inovação pode ser divido em quatro etapas, que precisam ser fomentadas pelo ambiente, pelos líderes e pela proposta da empresa:

  1. Busca por conhecimento. Essa premissa passa pelo raciocínio de que quanto maior o conhecimento de alguém, maior a capacidade dessa pessoa de se desenvolver e desenvolver o ambiente externo.
  2. Ampliação da capacidade de questionamento das pessoas. A ideia aqui é não se conformar com as opções. O questionamento de que algo pode ser feito de forma melhor leva as pessoas a de fato realizarem projetos da melhor forma.
  3. Desenvolvimento de projetos. Inovar não é fácil. Por isso, dificilmente uma primeira ideia resulta em algo de sucesso. Essa etapa ressalta a importância do planejamento, da tentativa, da visualização, dos testes antes da implementação de fato e da tolerância ao erro.
  4. Implementação. Toda implementação de uma ideia nova ou projeto traz novas regras, novos comportamentos, novos hábitos. Por isso, o processo de implementação é necessário e deve ser claro e de fácil entendimento para os envolvidos

Em resumo, não basta a empresa ter a inovação em seu discurso e cobrá-la de seus funcionários. É necessário adotá-la em sua rotina e jornada de trabalho como forma de fomentar um ambiente propício e criativo, em que os colaboradores sintam a importância de suas ideias e do propósito da otimização e sustentabilidade como forma de inovação.

E você, acha que sua empresa emprega uma cultura de inovação ou não?

 

Por Nathalia Bustamante,
Na Prática

A Stone é grande parceira do portal Na Prática por também acreditar no potencial de investir no desenvolvimento pessoal e gestão de carreira dos jovens universitários e recém-formados. Mensalmente, o portal publica textos no nosso blog, na seção Fundação Estudar.