E-commerce

O que esperar da Black Friday: conheça as tendências apontadas pelo Google

Programada para o dia 24 de novembro, a data mais importante para o e-commerce brasileiro deve crescer e apresentar um resultado entre 15% a 20% maior se comparado com a última edição. A perspectiva para 2017 é de 2.2 bilhões de faturamento. Os dados são do relatório “Thanks God it’s Black Friday”, organizado pelo Google, e fornece insights sobre o que esperar da Black Friday 2017.

Antes comparada pelo gigante de tecnologia como uma “maratona”, hoje é chamada de “Everest das buscas relacionadas às compras”, isso por conta do alto volume de buscas realizados no período. Apesar de algumas incertezas no cenário político e econômico brasileiro, a jornada rumo à Black Friday já começou e segue em constante crescimento, dando base às projeções otimistas apresentadas pela pesquisa. Confira mais no post de hoje e faça dessa a sua melhor Black Friday!

 

Black Friday já é consenso entre os consumidores

De acordo com o relatório, no qual foram entrevistadas 800 pessoas com idade entre 18 e 54 anos, das classes A, B e C e que já compraram no e-commerce, a participação do consumidor no evento teve um crescimento contínuo no decorrer dos últimos anos. Para se ter uma ideia, 71% já comprou algum produto ou serviço na Black Friday.

Esse ano, a estimativa é de que 370 mil pessoas comprarão online pela primeira vez na Black Friday, 10% do total de novos e-shoppers estimados para 2017 em apenas um único dia. A intenção de compra também está em alta. O número de consumidores que pretendem comprar algo na Black Friday é de 68% ante a 61% do ano anterior.

 

 

Black Friday está cada vez mais plural

Segundo o Google, o ecossistema da Black Friday está mais plural e complexo. Tanto varejistas do mundo digital quanto do físico participam do evento hoje. Em 2012, por exemplo, 100 lojas de e-commerce e 22 mil lojas físicas entraram na jogada. Já em 2016, o número cresceu mais de 10x no digital, com mais de mil e-commerces participantes, além de mais de 43 mil lojas físicas.

Outro ponto apontado pelo Google foi a alta relevância que sites menores ganharam na última edição. De acordo com o levantamento, estes varejistas tiveram um aumento de visitas ainda maior na quinta e sexta se comparados com sites maiores.

 

 

Compras além da sexta-feira

O relatório mostrou que, apesar do nome, a Black Friday não acontece apenas na sexta-feira. Em 2016, cerca de 21% das compras ocorreram em outro dia da semana e com um tíquete médio maior.

Entre segunda a quinta-feira, por exemplo, ocorreram 16% das vendas a um tíquete médio de R$1.498,14. Já aproximadamente 79% das vendas foram realizadas na sexta-feira a um tíquete médio de R$1.139,12. Entre sábado, domingo e segunda, ocorrem 5% das compras, com um tíquete médio de R$1.471,15.

 

O preço importa, mas não é tudo

É de se imaginar que oferecer um preço atrativo na Black Friday é fundamental, porém, a pesquisa mostrou que isso vale para 49% dos entrevistados. Um ponto interessante é observar que a confiança é um fator muito importante na decisão de compra.

Ter confiança na loja é obrigatório para 27%, assim como para 13%, confiança na marca é essencial para fechar negócio. Itens como frete (5%), pagamento parcelado (3%) e tempo de entrega (2%) também entram na lista.

 

 

Black Friday e a tendência omnichannel

Em 2016, as vendas nas lojas físicas cresceram 11% entre sexta-feira e domingo. Quando comparado a uma sexta feira comum, os lojistas venderam 3,5 vezes mais na Black Friday. Outro ponto observado pelo Google é sobre uma tendência de comprar online e retirar o produto na loja física. No ano passado, as buscas por retirada de produtos nas lojas físicas foi duas vezes maior do que no Natal.

 

Quem é o consumidor da Black Friday

Para ajudar você a entender melhor o público da Black Friday e, consequentemente vender mais, o levantamento identificou cinco perfis diferentes de consumidores e qual o comportamento de compra de cada um.

A maioria dos compradores (62%) se enquadra na categoria de engajados com a Black Friday. Eles receberam o nome de empolgados, participativos e apaixonados. Por outro lado, temos os inseguros (22%) e os descrentes (16%). Confira mais sobre o perfil de cada público:

 


Agora que você já sabe o que esperar da Black Friday, que tal conhecer conhecer quais são os principais vilões da Black Friday e como combatê-los?