Fim de ano chegando, vale relembrar: como foi o ano de 2019 para o seu negócio? Vamos relembrar os principais acontecimentos que impactaram e podem continuar impactando o seu negócio? Essa é a retrospectiva 2019 do empreendedor.

Prepare-se para entender melhor tudo o que aconteceu e esteja pronto para aproveitar 2020 e vender muito mais. 

TRÊS PRINCIPAIS APRENDIZADOS DE HOJE:

1.

A taxa Selic é a mais baixa da história e a previsão é que continue baixa no ano de 2020. Somada à inflação controlada a menos de 4%, à aprovação da Reforma da Previdência e ao saque do FGTS, isso estimula o poder de compra do consumidor. Ainda, torna o momento ideal para você pegar um empréstimo e investir no seu negócio. 

2.

A Lei da Liberdade Econômica diminui a burocracia para você que é dono de um negócio. Agora, fica mais fácil abrir e manter uma empresa no Brasil.

3.

Você pode aproveitar o clima de otimismo econômico e os excelentes resultados da Black Friday para fechar o ano com sucesso nas vendas. O Natal está logo aí e o consumidor está mais disposto a gastar!

TRÊS PRINCIPAIS APRENDIZADOS DE HOJE:

1.

A taxa Selic é a mais baixa da história e a previsão é que continue baixa no ano de 2020. Somada à inflação controlada a menos de 4%, à aprovação da Reforma da Previdência e ao saque do FGTS, isso estimula o poder de compra do consumidor. Ainda, torna o momento ideal para você pegar um empréstimo e investir no seu negócio. 

2.

A Lei da Liberdade Econômica diminui a burocracia para você que é dono de um negócio. Agora, fica mais fácil abrir e manter uma empresa no Brasil.

3.

Você pode aproveitar o clima de otimismo econômico e os excelentes resultados da Black Friday para fechar o ano com sucesso nas vendas. O Natal está logo aí e o consumidor está mais disposto a gastar!

Retrospectiva 2019 do empreendedor: Queda histórica da taxa Selic 

Este ano, a Selic atingiu sua menor taxa histórica. Na última reunião do ano do Copom (Comitê de Política Monetária), o Banco Central reduziu a Selic de 5% para 4,5%, a quarta queda consecutiva do ano, trazendo a taxa ao menor patamar da história. 

Mas o que isso significa para você que é dono do negócio?

De uma forma bem resumida, a taxa Selic (Sistema Especial de Liquidação e Custódia) tem o objetivo de controlar a inflação e nortear os juros.

Quando os preços estão acima do desejado, a Selic sobe. Assim, aumentam os custos de empréstimos e financiamentos. O resultado é a diminuição do consumo e a redução de preços. O inverso também acontece. Quando a inflação está baixa, a Selic diminui, alimentando o consumo e aumentando os preços. 

É importante lembrar que a Selic direciona as taxas de juros, assim, quando ela sobe, essas taxas tendem a subir. Quando ela diminui, as taxas também caem. 

Como estamos passando por um momento de baixa da Selic, é uma boa hora para pegar um empréstimo e investir no seu negócio. Afinal, as taxas estão menores! 

Então, essa é uma boa oportunidade de tirar as ideias do papel e dar um novo fôlego para a sua empresa — ou até investir em uma franquia. Se você pretende sacar o FGTS, melhor ainda! Mas sobre isso vamos falar mais pra frente… 

A próxima reunião do Copom para definir a nova taxa Selic acontece nos dias 4 e 5 de fevereiro de 2020. Para o próximo ano, ainda há uma incerteza sobre os passos futuros da política monetária. Mesmo assim, alguns economistas acreditam que a Selic possa cair ainda 0,25%.  

Escrevemos um artigo completo para te ajudar a aproveitar essa baixa da Selic: Regularize as finanças da sua empresa com a baixa da taxa Selic.

Retrospectiva 2019 do empreendedor: Inflação abaixo de 4%

A inflação pode ter um grande impacto no seu negócio, dependendo dos itens de maior aumento do período. 

Os custos que sua empresa tem com energia elétrica, alimentação, gás e etc. estão relacionados à inflação. Por isso, é preciso estar preparado caso ela aumente.  Como fazer isso? Sabendo quais bens influenciam o índice do período. 

Quando esses bens fazem parte dos custos variáveis da sua empresa, o aumento da inflação acaba se refletindo também no bolso do consumidor final. Por isso, sua margem de lucro não deve ser muito afetada. 

Agora, se a inflação tiver influência de bens que constituem despesas fixas para o seu negócio (energia, por exemplo), o aumento acaba não sendo repassado ao consumidor. Isso impacta a margem de lucro, afinal, você tem que mais custos nesse caso.  

A boa notícia é que, com o final de 2019 se aproximando, a inflação está mantida abaixo de 4%, um índice confortável para a economia brasileira. 

A vantagem, nesse caso, é uma maior previsibilidade a longo prazo. Com a inflação reduzida, você pode prever quais insumos não devem sofrer um grande aumento no próximo ano. 

Assim, você consegue reduzir as margens de lucro e baratear os produtos. Essa tendência faz com que a economia circule melhor e os consumidores se sintam mais confiantes para comprar mais. 

A previsibilidade também permite que você planeje o ano de 2020 com mais assertividade, controle melhor o estoque, estime o volume de vendas e os gastos fixos, por exemplo. 

Falamos tudo sobre inflação nesse artigo: Como a inflação impacta o seu negócio?

Retrospectiva 2019 do empreendedor: Dólar nominal mais alto da história

Com a escalada do dólar, o preço dos produtos consumidos pelos brasileiros é afetado. Combustíveis, passagens aéreas e itens importados são alguns dos que mais sofrem com esse aumento.  

Com isso, a tendências é que os consumidores passem a comprar mais de empresas nacionais. Então, é hora de aproveitar o momento de demanda! 

Agora, se você depende de matérias-primas estrangeiras, é bom ficar mais atento aos custos. Eles podem inclusive acabar afetando o valor final do seu produto, o que atinge o consumidor final. 

Nesse caso, uma ótima saída é substituir fornecedores internacionais por produtores domésticos. 

Retrospectiva 2019 do empreendedor: Reforma da Previdência

A aprovação da Reforma da Previdência deu um fôlego extra à economia em 2019 e renovou a confiança do mercado. 

Esse clima de otimismo econômico, somado às menores taxas de juros, como mostramos, favorece os financiamentos e impulsiona o consumo dos brasileiros. Para o futuro, as previsões também são positivas, já que a reforma pode acelerar o crescimento do PIB, revertendo o cenário negativo dos últimos anos. 

Retrospectiva 2019 do empreendedor: Lei da Liberdade Econômica

Em setembro de 2019 foi sancionada a Lei da Liberdade Econômica. Para você, dono do negócio, ela é vantajosa porque reduz a burocracia e simplifica os processos para abrir e manter uma micro e pequena empresa no Brasil. 

As novas diretrizes estabelecidas por essa Lei são:

  1. Sem Alvará: empresas que atuam em atividades de baixo risco não precisam de alvará para funcionar. 
  2. Registro Automático: a concessão de registro da empresa é automática caso a decisão do órgão público ultrapasse o prazo estabelecido. 
  3. Fiscalização: não há mais fiscalização antecipada para empresas que exercem atividades de baixo risco. Ela será feita apenas em caso de denúncia ou ofício.  
  4. Não ao Abuso de Poder: o Estado fica proibido de criar reserva de mercado que favoreça um determinado grupo de profissionais. Também não pode impedir a entrada de novos competidores no mercado. 
  5. Sociedades Empresariais: o governo fica proibido de limitar a criação de grupos empresariais ou atividades econômicas. 
  6. Testes Autorizados: a autorização do governo não é mais necessária para as empresas que queiram testar produtos e serviços — exceto em casos de risco à segurança pública. 
  7. eSocial e Bloco K: fim do eSocial e das obrigações do Bloco K (Livro de Controle de Produção e Estoque da Receita Federal).
  8. Fundos de Investimento: diante de prejuízos de terceiros, a responsabilidade dos investidores é estabelecida pelo valor das suas cotas. 
  9. Proteção de Patrimônio: os sócios têm seu patrimônio mais protegido e só é necessário responder com o próprio patrimônio aquele que tiver desvio de finalidade ou quando houver confusão patrimonial.  
  10. Documentos Digitalizados: agora é possível guardar os documentos em microfilme ou meio digital, de modo que eles têm o mesmo valor que os documentos físicos.  
  11. Registro de Ponto: o ponto do trabalhador por exceção pode ser registrado (quando for determinado por acordo individual, coletivo ou convenção). Não é mais necessário o registro de ponto para empresas com menos de vinte funcionários. 
  12. Carteira de Trabalho: a carteira de trabalho pode ser digital e a identificação do trabalhador é feita pelo CPF. 

Para te ajudar a saber mais sobre essa lei e conferir o que mudou, separamos essa tabela feita pelo SEBRAE

Retrospectiva 2019 do empreendedor: FGTS

Lembra do que falamos sobre a inflação e a taxa de juros? Então, além de ambas contribuírem para a melhora na economia do país, a possibilidade de resgatar o FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) entra para beneficiar ainda mais os novos donos de negócio. 

A Caixa Econômica Federal estima que mais de R$ 35 bilhões vão ser sacados, beneficiando mais de 10 milhões de trabalhadores.  

Existem duas possibilidades de saque:

  1. Retirada imediata: é possível resgatar até 500 reais de contas ativas (do atual trabalho) ou inativas (de trabalhos antigos).
  2. Saque-aniversário: o cadastro começou em outubro e o valor pode ser retirado a partir de 2020. Nessa modalidade, você pode sacar parte do FGTS a cada ano. É importante lembrar que caso você escolha essa opção, não tem direito de receber o dinheiro se for demitido.  

Para os novos donos de negócio, o resgate do FGTS é positivo pelo menos por dois motivos:

  1. Se você decidir resgatar o seu FGTS, pode investir o dinheiro no desenvolvimento do seu negócio. Por exemplo, para:– Consertar uma máquina ou comprar uma nova

    – Contratar um novo funcionário

    – Fazer aquela reforma 

    – Testar um novo produto

    – Fazer um financiamento

    – Pagar alguma dívida pendente

    Além disso, se você ainda não abriu o seu próprio negócio, mas quer realizar esse sonho, o FGTS pode ser o pontapé que faltava para essa iniciativa! 

  2. Como os dados mostram, os consumidores estão dispostos a sacar o FGTS, o que aumenta o poder de compra. Para você, isso significa mais possibilidade de vendas. O resultado já pode ser visto na Black Friday desse ano, a maior da história, como vamos falar daqui a pouco. 

Para mais detalhes sobre o FGTS, o site da Caixa pode esclarecer suas dúvidas: Novos saques do FGTS 

Retrospectiva 2019 do empreendedor: a maior Black Friday de todas! 

FGTS, 13º, inflação controlada e taxa de juros baixa criaram um cenário favorável para a estimular o consumidor a comprar mais. O que contribuiu para que Black Friday tenha sido a melhor data para o comércio esse ano. 

Os dados não deixam mentir: o faturamento do varejo online fechou em R$ 3,2 bilhões, com um aumento de quase 10% das vendas na semana do dia 29 de novembro.

Se a Black Friday não atingiu as suas expectativas ou se você ainda quer aproveitar os ótimos ventos da economia brasileira, ainda dá tempo de se preparar para vender mais no Natal. O nosso artigo sobre o assunto pode te ajudar: Vender mais no Natal: como aproveitar a data? 

Previsões para 2020

Ao longo do post, vimos como o ano de 2019 foi movimentado para a economia brasileira e como as mudanças podem impactar o seu negócio. 

Para 2020, a pesquisa Focus do dia 16/12 prevê um IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) de 3,6% e PIB de 2,25%, o que representaria o maior crescimento econômico para o Brasil desde 2013. Além disso, é possível que a Selic caia um pouco mais no início do ano e a inflação se mantenha próxima aos 3,8% de acordo com a pesquisa

O que você achou da nossa retrospectiva 2019 do empreendedor? Se tiver algum comentário, é só escrever aqui embaixo que te respondemos!

Obrigada pelo papo e boas vendas!