trabalho-na-Stone
Jeito Stone

18 coisas que entendi na prática com o trabalho na Stone [Parte 2]

Continuamos hoje com a parte final das lições que a Lívia aprendeu ao longo da sua experiência de trabalho na Stone. Lições essas que são importantes para qualquer um, seja no profissional ou no pessoal.

A Livia é uma das líderes da área de Pessoas e, na semana passada, nos contou um pouco da sua história (dos seus sonhos de ser presidente, astronauta e cientista), como foi sua entrada na Stone e algumas coisas que aprendeu ao longo da sua vivência aqui, nos dois últimos anos. Leia o texto da semana passada aqui.

Aqui estão os outros 9 aprendizados que ela teve ao trabahar na Stone e que hoje compartilha com a gente.

O que entendi com o trabalho na Stone:

10) Nunca se acomode.

Nunca se acostume. Trabalhar aqui não é “confortável”. Inclusive, quando percebemos que alguém está muito confortável, fazemos questão de entregar missões maiores para que a pessoa entre em zona de desconforto. A gente acredita que é assim que a gente cresce. É assim que a gente muda. É assim que a gente melhora. Em âmbito pessoal e também empresarial. Se estiver acomodado, preocupe-se. Aqui é lugar de mudanças.

11) Sempre dá para fazer.

Nunca diga que é impossível sem ter tentado fazer de todos os jeitos possíveis e imagináveis. A gente tem uma tendência nata em achar que “não dá para fazer”. Fique longe das pessoas que falam isso. A gente sempre acha que dá para fazer. É só não desistir. E tudo bem se nunca ninguém tiver feito. Seja você a primeira pessoa a fazer. Só não fala que é impossível. E pior, nunca fale que é impossível sem nem ao menos ter tentado. Isso é sinal de derrota na certa.

Isso tem, inclusive, muito a ver com a criação da Stone. Muitas pessoas falaram para nossos fundadores que seria impossível abrir uma adquirente no Brasil (isso há mais de 10 anos atrás – papo para outro dia, quem sabe). Veja só a gente aqui. Dá para fazer. Pode levar 10, 15, 20 anos, mas dá para fazer.

trabalho-na-Stone12) Não guarde as coisas para você.

Compartilhe. Dores. Pensamentos. Atividades. Não seja egoísta. De ideias ou materiais. Temos plena consciência que juntos somos muito maiores e melhores. Não guarde as coisas para si, isso só vai te atrapalhar aqui dentro.

13) Nunca faça nada porque alguém te mandou

Faça as coisas com propósito. Seja chato. Entenda o motivo pelo qual está fazendo. Nunca entre em modo avião/automático. Quando você entra nesse modo, você não está pensando e portanto nunca agregará valor. Faça as coisas porque elas fazem sentido. E se te mandarem fazer alguma coisa que você não concorda, não faça. Critique e questione. É assim que surgem soluções ainda melhores das que já tinham sido tomadas.

14) Seja direto e reto.

Não tenha medo de se indispor. Não somos uma empresa de melindres. Somos uma empresa ágil. Não dá tempo para fazer drama ou para amenizar demais a dura realidade da vida. Sem mimimi, só vai.

15) Não se apegue a status.

Não venha trabalhar para querer ser líder de qualquer coisa ou porque é uma empresa de renome. Essa é a maior bobagem já inventada. Vá trabalhar para entregar algo que possa se orgulhar. O orgulho tem que ser proveniente do suor, não da “fama/glória”.

16) Integridade é coisa séria.

Nunca faça coisas que necessitarão longas “explicações”. Não faça nada que deixaria seus filhos ou seus pais envergonhados de você. Faça o que é certo, não pegue atalhos. Desconfie dos atalhos. E não seja complacente à desvio de caráter de outras pessoas. Corrija a pessoa, ensine a pessoa. Só não deixe passar.

17) Cultura não é só reproduzir os valores.

Cultura não é só dar exemplo e agir de acordo com o que é esperado. Cultura é também impedir delitos contra nossos valores. Ex.: Se somos uma empresa obcecada por resultados, não tolere pessoas ao seu redor que não são assim. A Cultura é propagada ao não ser permissivo com pequenas infrações à cultura/valores.

Acredite, não ser permissivo é muito mais trabalhoso do que simplesmente “agir de acordo com a cultura”. Ex.: Uma coisa é ser ético, outra é ver problemas antiéticos e pegar para resolver assim que o percebeu.

18) Duvide de tudo, questione tudo, aprofunde-se nos detalhes.

Não existem perguntas burras. Não finja que entendeu sem ter entendido. Seja chato. Questione tudo e todos daquilo que você não viu sentido.

Quando entrei, além de não saber Excel, não sabia absolutamente nada de Mercado de Pagamento, Investimento, Business. Enchi o saco de muita gente, vi muitos videos, li muitos livros. Mas, se não tivesse feito primeiro as perguntas: “O que é esse tal de mercado de pagamento que eles tanto falam?” e “Mas que história é essa de investimento, sociedade, ação, etc?”, jamais teria o conhecimento em nenhuma dessas vertentes.
Enfim, antes de tudo, para você que chegou até o fim deste artigo (e, juntamente com ele, ao fim das 18 lições), muito obrigada. Espero que tenha absorvido coisas úteis para sua vida. Claro que tem mais uma porção de coisas que ainda não entendi, mas a gente vai aprendendo no dia a dia. Aqui na Stone, a gente tem um jeito muito nosso e definitivamente não é todo mundo que gosta e que se adapta. Mas o que posso dizer é que eu me considero uma pessoa melhor por conta da minha vivência na empresa. E tenho certeza de que ainda tenho muito a viver e aprender. Sei que essas 18, com o tempo, virarão as 25, 50, 70… coisas que aprendi por aqui e isso significa que estarei evoluindo e me desenvolvendo.

por Lívia Kuga